ProXXIma 2017: Mindset de futuro e transformação é a salvação do marketing e comunicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

A indústria do marketing e da comunicação passa por transformações todos os dias e em todos os sentidos. No desafio diário das empresas em encontrarem seu espaço e terem mais relevância para seu público, o protagonismo do digital como ferramenta já é mainstream. Inovação, tecnologia e seus derivados, como inteligência artificial e big data, novos e diferentes modelos de comunicação, mas, principalmente, mindest orientado a resultados, são os pilares que já ditam o futuro.

Nesse universo, ProXXIma 2017 ligou marketing e comunicação diretamente à cultura da performance, do “Money”, a partir dessas mutações desafiadoras que permeiam a troca entre os protagonistas que, mais do que nunca, precisam transformar ideias em resultados, criatividade em eficiência: as agências, os veículos, as marcas e os comunicadores, ditados por um único caminho, o do consumidor.

Busca por diferenciais

Para uma marca que mudou o hábito das pessoas e adota isso como premissa, falar de inovação é “chover no molhado”, apesar de essa busca ter que ser contínua. A global P&G ressalta seu propósito – “melhorar a vida dos consumidores do mundo, agora e das futuras gerações” – como um dos maiores diferenciais da marca, que norteia sua existência. “As empresas têm que parar para refletir sobre sua existência. Sobre a diferença que querem fazer no mundo. É o caminho para encontrarem o seu propósito, que tem que ser sua maior diretriz”, afirma Poliana Sousa, diretora de marketing da P&G.

“Se você conseguir criar propriedade intelectual ao redor da sua marca, que o consumidor está disposto a pagar, você desenvolve uma relevância atrelada a resultado”, ressalta Walter Susini, da LOV. Nesse sentido, “propriedade intelectual” é reputação, posicionamento, diálogo de igual para igual com um público que se engaja.

Tudo é digital

Awareness, vendas, interação. Os infinitos “KPIs” (indicadores-chave de desempenho) da atual era pós-digital (como refere-se Walter Longo – HSM, 2013) tornaram-se relevantes em outro patamar. Ao passo que o mundo digital impõe uma possibilidade de relacionamento ampliado e próximo entre uma marca e seu consumidor, também gera um empoderamento informacional altamente sensível ao contexto de uma comunicação ou um canal. Se a audiência for grande, então, uma gota diferente, definitivamente, pode se transformar em uma tempestade. Porém, se o risco for calculado com inteligência, essa mesma gota pode se transformar na mais esperada e refrescante chuva de verão. Mas, é preciso apostar para alcançar o pote de ouro.

“Não existe estratégia on e off, mas sim estratégia boa ou ruim. No digital, a diferença vantajosa é que conseguimos entender mais rapidamente as manifestações que são resultados da nossa estratégia, tomando decisões em tempo real, o que nos permite adaptar campanhas, escolher canais diferentes e mudar target”, destaca João Ciaco, head de marketing da Fiat Chrysler Group.

Atenção à era do “business co-creation”

Ultimamente, tem se falado muito em curadoria como o processo de salvação das informações mais qualificadas geradas a todo momento, que façam sentido na formação de uma ideia ou contexto. Fazer co-criação, entretanto, é gerar uma informação que nasça muito mais pronta. Ou seja, que precise de menos lapidação. Estamos falando aqui de otimização e qualidade.

McDonald’s, com DPZ&T e DM9, suas agências de marca e digital, respectivamente, têm se mostrado como referência nessa prática de criar conjuntamente. E não somente ideias para filmes, mas caminhos que resolvam problemas reais do cliente.

“Não acredito mais em criação só tendo ideias. O acesso à informação que temos e o relacionamento sólido com o cliente gera uma maturidade na discussão, e o cliente coloca à frente desafios de negócio”, conta Eduardo Simon, CEO da DPZ&T. “Nesse sentido, não devolvemos um filme criativo necessariamente, mas uma solução com inteligência, que resolva seu problema, como uma promoção ou a implantação de um novo produto”, completa.

Porém, não é fácil romper essa barreira. Para o head de criação da DPZ&T, Sérgio Mugnani “o criativo e o ambiente interno da agência têm a obrigação de estar próximo do cliente, acompanhando o dia-a-dia, construindo relacionamento e estando perto para entender sua real necessidade. É a melhor maneira de ajudarmos a resolver problemas reais”, refletiu.

O day one do ProXXIma 2017 destacou, ainda, a inteligência tecnológica com viés negativo, usada para atrapalhar as performances de existência digital, principalmente através dos boots (robôs inteligentes), que geram impressões e cliques em um falso positivo dentro das plataformas programáticas, o que tem acendido a luz vermelha das estratégias de mídia.

Mais do que co-criação para resultados de negócio, a indústria do marketing e da comunicação clama por co-envolvimento, co-engajamento e co-participação dos players em fomentar um mercado que oxigene. Porém, isso não faz sentido mais sem o suporte da tecnologia, do big data, da inteligência atrelada à resultados e da mentalidade de agências, marcas, players e profissionais orientada a futuro e inovação, com foco na transformação das pessoas.

Por: Isaac Ramiris

Redação

Redação

Blog voltado para estudantes e profissionais do marketing, design, publicidade e entre outras áreas criativas, levando conteúdo de forma simples.

Comentários

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Criado por WP RGPD Pro