Marketing

Marketing da Inclusão

Escrito por Isabela Klein

Representatividade nas campanhas de beleza e moda atuais

Abra qualquer pesquisa no Google com as palavras “propagandas antigas” e veja uma lista enorme de peças de Publicidade e Propaganda altamente fora dos padrões de hoje. Em uma época em que o cigarro era algo extremamente lucrativo e aceitável, por exemplo, não se falava sobre os males que o tabaco causa, que beiram o desespero.

O interessante é analisar justamente o quanto as campanhas publicitárias estão mudando de acordo com a mudança que acontece com o público, que cada vez mais se despe de preconceitos e começa a incluir as pessoas.

marketing da inclusão

Recentemente, a marca de maquiagens Avon utilizou três mulheres negras formadoras de opinião como os rostos da marca. A marca só utilizava mulheres tidas como padrão, brancas e magras, em campanhas anteriores.  Sendo a indústria de beleza muitas vezes excludente, muitas mulheres negras reclamam de não se sentirem representadas nem nos produtos (já que existem poucos tipos de produtos para as várias tonalidades de peles negras), nem nas imagens nem nas propagandas. Felizmente isso vem mudando.

Mercado –  Plus Size

A C&A, marcas de roupa Fast Fashion (lojas com roupas de vários tipos, para várias idades), provou ser possível abraçar também as mulheres com manequins acima do 46, e lançou uma campanha com foco nisso. Mas isso também não é por acaso: segundo informações da publicação Valor Econômico, o mercado de roupas plus size fechou 2015 com uma arrecadação de expressivos R$ 6 bilhões de reais.

foto_publicidade-inclusiva002

Muitas outras marcas de moda também estão abrindo seus olhos para o mercado das mulheres gordas, plus size, ou mesmo curvilíneas, sem que isso seja pejorativo ou mesmo algo completamente fora do comum. Isso prova que o público se atualiza e pede novidades que representem todos os tipos de pessoas que existem.

Ponto para o mercado, que tende a se tornar cada vez mais inclusivo e diferente. E ponto para os publicitários que também enxergaram uma possibilidade de atingir públicos maiores com a inclusão de pessoas “fora do padrão”.  

Sobre o autor

Isabela Klein

Assine a nossa Newletter

Junte-se aos nossos leitores inteligentes e receba conteúdo semanal. E o melhor é Grátis!

Confirme a sua inscrição no seu e-mail. Obrigado!